Rod. Curitiba - Ponta Grossa Br-277, Km 2, 1875, Mossunguê, Curitiba/PR - 82305-100

Já ouviu falar em Bikesharing? O futuro é compartilhado!

abril 7, 2020

Toda grande cidade passa por problemas de mobilidade urbana, seja pela pequena oferta de modais de transporte, ou má conservação dos ativos, seja pela alta demanda de usuários que necessitam diariamente e a falta de interligação entre as alternativas de locomoção.

Uma outra carência, que vem se mostrando cada vez mais séria, é a baixa opção de meios de transporte complementares, sobretudo, nos trechos iniciais e finais da viagem, quando as grandes linhas de transporte não chegam a determinados locais mais afastados.

Os usuários que necessitam desse tipo de deslocamento se arranjam como podem, caronas, andam grandes distâncias a pé, transporte por aplicativo… Mas uma alternativa tem crescido como uma solução mais barata, prática e ecologicamente sustentável: é o compartilhamento de bicicletas ou Bikesharing.

O que é Bikesharing?

Bikesharing é a tradução literal de compartilhamento de bicicletas, significa a utilização de bicicletas sob demanda e locação. Cada usuário através de seu App, pode solicitar uma reserva: ele é encaminhado para locais estratégicos da cidade que tenham a base da operadora e, lá pode alugar pelo tempo que necessita e entregar em outro lugar pela rota que traçou.

Os primeiros sistemas de locação e compartilhamento, se popularizaram na década de 90 na Europa, e funcionavam com um modelo simples: os usuários iam até estações fixas e com uma moeda de valor pré-definido, liberavam as bicicletas.

Hoje, os sistemas de compartilhamento, aproveitando a tecnologia existente, contam com totens de autoatendimento nas estações, permitindo registro, realização de depósitos, planejamento de rota, além de verificação de disponibilidade aos usuários. Tudo isto também pode ser feito pelo aplicativo no celular.

E vamos além: os sistemas atuais possuem dispositivos de travamento, totalmente eletrônico, o que ajuda o locador retirar e devolver as bicicletas em qualquer lugar e hora, de acordo com o seu uso e rota e as bicicletas possuem dispositivos GPS de monitoração, o que gera segurança e possibilidade das operadoras analisarem dados gerados.

Mais tecnologia

Se você achou que já se tinha muita tecnologia envolvida nesse serviço, vem mais funcionalidades que estão se popularizando: estações móveis e sem travas, informações de trânsito em tempo real e integração com outros tipos de transporte público. Já há tramitação para a criação de um cartão conectado aos outros modais de transporte público, integrando gastos em um só local e facilitando a conexão entre vários serviços.

Ainda precisa investimento público

Em, praticamente, todas as cidades do país existem poucas vias específicas para o trânsito de bicicletas, o que atrapalha, e muito, o uso deste modal. É preciso maior investimento em construção de ciclovias e ciclofaixas, ajudando na disseminação e uso deste serviço. Além do mais, um outro trabalho é igualmente importante, a conscientização de motoristas e de usuários dos limites de cada um, dos direitos e deveres de cada tipo de transporte, para construirmos um trânsito mais seguro e gentil.

Investimento em novas formas de se locomover e que atendam as necessidades dos usuários é a nova tendência em mobilidade urbana. Para os usuários de fretamento, também é uma ótima pedida, já que para alguns trabalhadores, existe um deslocamento anterior a ser feito antes de embarcar no carro fretado.

Nós da Rimatur Transportes, apoiamos toda nova solução de transporte que visa conforto, agilidade e que seja sustentável!